domingo, 25 de novembro de 2012

326# NaNoWriMo: Novembro: A Violinista - 15#

"- Sei que não faço parte desde mundo. E também sei que,  no mundo a que realmente pertenço, durmo. O problema é que não saberei até quando é que vou permanecer adormecida. Seja como for, foi o homem que ambos vimos que me ensinou
 a tocar o que toco, a falar como falo e a escrever como escrevo. Foi o homem da fotografia que me ensinou a fazer coleções de pequenas memórias, de coisas simples que vão surgindo na mente.
Olhou para o lado e encarou Raimundo com um sorriso. 
- Ele disse que todos nós colecionamos qualquer coisa e que eu deveria colecionar as memórias dos dois mundos, para que nunca me esquecesse de onde estive,  caso não pudesse voltar a ver um dos dois lugares, ou mesmo nenhum deles." - Cassandra

2 comentários:

  1. Também eu, Alyra.
    De tal modo que me senti tentada a mudar a cor do cabelo da minha personagem e, na verdade, vou fazê-lo, mas isso vai ter as minhas ideias doidas pelo meio...

    ResponderEliminar

"Posso não concordar com uma só palavra tua, mas defenderei até a morte o teu direito de dizê-lá."__ Voltaire