domingo, 25 de novembro de 2012

323# Cinema: Harry Potter: As Reliquias da Morte (Parte 1) - 12#


Sinopse: Prestes a completar 17 anos, Harry Potter (Daniel Radcliffe) precisa ser transportado da casa dos seus tios, os Dursley, até um local seguro. Lorde Voldemort (Ralph Fiennes) e seus comensais da morte sabem que a transferência está prestes a acontecer e aguardam sua realização para atacar. Para que ela ocorra vários amigos de Harry, como Rony Weasley (Rupert Grint), Hermione Granger (Emma Watson), Remo Lupin (David Thewlis), Hagrid (Robbie Coltrane) e "Olho-Tonto" Moody (Brendan Gleeson), tomam a Poção Polissuco e assumem a forma física de Harry. A intenção é despistar Voldemort sobre quem é o Harry verdadeiro, de forma que ele possa chegar seguro à Toca, casa dos Weasley. A missão é bem sucedida, mas logo a situação se torna ainda mais perigosa. O Ministro da Magia Rufus Scrimgeour (Bill Nighy) é morto e, em seu lugar, assume um dos asseclas de Voldemort. Harry e seus amigos passam a ser caçados impiedosamente, obrigando que ele, Rony e Hermione fujam. Precisando mudar constantemente de lugar, eles elaboram um plano para encontrar e destruir as horcruxes que podem eliminar Voldemort de uma vez por todas.

Opinião: Eu fui o tipo de pessoa que viu primeiro a Parte 2 do Relíquias da Morte e, por isso, ao ver a Parte 1, sentia-me como se estivesse a fazer um puzzle. 
  O  que me fascina e o que invejo na escrita e na história da Rowling, para além do mundo mágico que ela criou, é a sua capacidade de puxar a nossa mente para um mundo negro, mas, ainda assim, coberto com algumas esperanças, por parte das personagens.
  Houve quem dissesse que o desenvolvimento é lento, mas não achei, creio que a pressa é inimiga da perfeição.
  Aqui tivemos personagens bem desenvolvidas, que tomaram várias caras e personalidades. As cenas de luta são entusiasmantes, de deixar uma pessoa colada  ao sofá, pedindo que mais ninguém morra. Se bem que tal não aconteceu. Como, por exemplo, o Dobby. A morte do Dobby é uma cena marcante, até porque é das personagens que mais gosto, pela postura, pela voz, coragem e amizade. Esta personagem é realmente uma bela demonstração de lealdade.
  O filme não está  feito apenas para aqueles que leram os livros, os por menores mais importantes não se perdem. No entanto, para quem não conhece a coleção, não acredito que seja o melhor por onde começar. Ou se calhar é, porque a curiosidade será mais aguçada do que a de um gato para descobrir o que aconteceu no passado.
    A divisão da história em duas partes é compensatória, ao contrário do que disse quando fiz a crítica ao último filme da tetralogia Crepúsculo, e, honestamente, acho que não podia pedir mais, porque a película está simplesmente fantástica.

Bom Domingo, Nameless

2 comentários:

  1. O filme está muito bom. Fez-me lembrar, em parte, Lord of The Rings, no entanto, gostei imenso.
    Love, Nameless

    ResponderEliminar

"Posso não concordar com uma só palavra tua, mas defenderei até a morte o teu direito de dizê-lá."__ Voltaire