domingo, 10 de fevereiro de 2013

400# 100:Abandonada – 22#

Saí da cama à sua ordem, vesti-me enquanto o mirava. Nu. Deitado. Sorridente. Aos seus olhos eu era um boneco.
Busquei pelo meu casaco os olhos. Estava junto a ele.
O meu corpo tremeu e eu engoli em seco. Estiquei a mão e pequei naquela pedaço de tecido vermelho. Arrepiei-me. Ele agarrou-me pela mão, fitou-me de cima a baixo, como se ainda me desejasse. Que nojo. Atrevi-me a soltar-me, olhando-o entre a fúria e o medo. Peguei no meu casaco, acertei os meus sapatos nos meus pés e saí. Afastei-me passo a passo. Desci as escadas, afastando-me da sua casa, para onde ele me havia levado, para falar. Não falamos.
Ajeitei a alça do soutien e desci mais um degrau. Agarrei-me ao estômago e olhei para cima, em busca de ajuda. De algum tipo de suporto. Não havia nada. Não havia ninguém. Não havia Deus. Este tinha-me abandonado.

 
Nameless
 

Sem comentários:

Publicar um comentário

"Posso não concordar com uma só palavra tua, mas defenderei até a morte o teu direito de dizê-lá."__ Voltaire